Para construir um bom planejamento financeiro pessoal, você deve analisar suas finanças de forma minuciosa e estar preparado para mudar o que for preciso na sua rotina.

Planejamento financeiro pessoal: aprenda a montar o seu!

Todos nós contamos com alguns objetivos financeiros na vida.

Seja sair das dívidas, comprar um bem de consumo, viajar o mundo ou presentear alguém querido, esses desejos envolvem gastos e precisam ser bem planejados.

Caso contrário, o que acontece é o comprometimento da renda com dívidas, juros de cartão e longos empréstimos.

Sabendo disso, é muito importante desenvolver um bom planejamento financeiro pessoal para que, dessa forma, você seja capaz de conquistar todos os seus objetivos e não entrar no vermelho mais!

Criamos um conteúdo completo que poderá te ajudar nessa tarefa. São ações práticas e que podem ser aplicadas facilmente.

O que é um planejamento financeiro pessoal?

Conforme o nome já adianta, ele é a capacidade de se organizar financeiramente rumo a metas e objetivos específicos.

Para que ele funcione de maneira ideal, existem três etapas principais. Elas são a definição de metas, desenvolvimento de estratégias para que ele possa funcionar e, por fim, feedbacks e pontos de melhorias.

De forma geral, este recurso é importante para que você possa antecipar os seus gastos e entender o seu comportamento de consumo.

Dessa maneira, será capaz de otimizar o uso do seu dinheiro para conquistar objetivos e metas financeiras.

Por que devemos ter um planejamento financeiro?

Agora que você já foi capaz de entender o conceito geral sobre o tema, vamos ressaltar sua importância.

Em primeiro lugar, o planejamento é uma das principais formas — se não for a principal — de sair das dívidas e conquistar o controle definitivo das suas finanças.

Isso acontece por um motivo muito simples. Quando somos capazes de prever os gastos e entender a realidade da nossa vida financeira, somos capazes de fazer escolhas mais inteligentes e pensar de forma cautelosa e estratégica.

Sabendo disso, os gastos são otimizados para que você possa gastar com sabedoria e poupar uma boa quantia de dinheiro!

Quais são as principais características de um bom planejamento financeiro pessoal?

Para que você possa criar um bom planejamento financeiro pessoal, entenda que existem algumas características primordiais para que ele funcione da melhor maneira possível.

Já adiantamos no início do conteúdo, mas agora você poderá ver de forma detalhada aquilo que não poderá faltar quando for a hora de construir o seu.

Noção da sua realidade financeira

Um bom planejamento só pode começar caso você entenda como está a situação da sua vida financeira.

É somente a partir de uma análise minuciosa das entradas e saídas de dinheiro que você será capaz de traçar os melhores planos de ação possíveis.

Sabendo disso, tente responder às seguintes perguntas:

  • Quanto você ganha por mês?
  • Quanto você gasta por mês?
  • Qual parcela do seu dinheiro está comprometida com dívidas?
  • Quais são as suas despesas fixas e variáveis?
  • Quanto você precisaria por mês caso acontecesse algum imprevisto (como o desemprego)?

A partir dessas respostas, já terá avançado muito no processo.

Ter um orçamento

O orçamento é uma parte muito importante do planejamento, já que faz com que você seja capaz de economizar de forma ainda mais inteligente.

Para fazer o orçamento, você deve se basear nas suas despesas e na quantidade de dinheiro que entra na sua conta mensalmente.

A partir dessa análise, deverá definir uma espécie de “teto de gastos” para suas principais categorias de despesas.

Vamos falar mais sobre o tema no decorrer do conteúdo, mas já adiantamos que o orçamento é uma das partes principais.

Ser dividido em horizontes temporais

Você deve ser capaz de desdobrar o seu planejamento em curto, médio e longo prazo.

Afinal, não são todas as suas necessidades financeiras que poderão ser conquistadas hoje. E, ao mesmo tempo, várias delas precisam, necessariamente, ser cumpridas no dia a dia.

Como forma de referência, o curto prazo é até 2 anos, médio de 2 a 5 anos e longo mais de 5 anos.

Lembre-se que, por mais que o planejamento seja dividido em horizontes temporais diferentes, ele deve “conversar” entre si e ser capaz de oferecer um panorama sincronizado sobre todas essas prioridades.

Contar com planos de investimentos

Juntar dinheiro “só por juntar” não é vantajoso, afinal, você perderá ao longo prazo.

Isso acontece porque o poder de compra muda de acordo com os anos, já que a inflação e outras taxas que definem o valor do dinheiro sofrem variação.

Sabendo disso, é importante pensar quanto estará disposto a investir. 

Como fazer o melhor planejamento financeiro pessoal?

Vamos agora falar sobre as principais formas de trabalhar com o seu planejamento financeiro pessoal.

A partir de um passo a passo que pode ser aplicado facilmente na rotina, você será capaz de construir uma vida financeira muito mais saudável e controlada!

Vamos lá?

Não gaste mais do que ganha

Esta dica é de extrema importância e deve ser aplicada em absolutamente todas as áreas da sua vida.

Não gastar mais do que se ganha é fundamental para manter o planejamento com saúde. Caso contrário, você estará entrando em uma bola de neve com capacidade gigantesca de te deixar afundado nas dívidas.

De toda forma, não se preocupe. Vamos ensinar as melhores formas de não desenvolver este hábito na rotina.

Registre e acompanhe todas as suas despesas

O primeiro passo é muito importante e terá total relação com a saúde do seu planejamento financeiro.

Para fazer um diagnóstico da sua situação financeira e entender quais pontos podem ser melhorados, além daqueles que já vão muito bem, você precisa conhecer religiosamente suas finanças pessoais.

Nesse sentido, como conhecê-las se você não mantém nenhum registro delas?

Para facilitar o controle das suas despesas — e da receita que entra na conta todo mês — você pode buscar pela alternativa que faz mais sentido na sua rotina.

Algumas pessoas gostam de planilhas, outras não abrem mão dos tradicionais papel e caneta, mas hoje em dia os aplicativos são ótimas maneiras de manter o registro.

Isso acontece por um motivo muito simples. Hoje em dia, usamos o celular em boa parte do nosso dia, e poder centralizar os seus gastos na palma da mão é algo muito prático.

Dessa forma, você não vai precisar abrir a planilha no computador, ou lutar para entendê-la de forma prática pelo celular.

Além disso, os aplicativos oferecem análises completas sobre a saúde do seu dinheiro, dividindo os gastos por categorias, por exemplo.

Esse simples recurso já é capaz de fazer um diagnóstico importante sobre seu comportamento de compra, permitindo o desenvolvimento de planos de ação para poupar ainda mais. 

O Mobills, aplicativo de controle financeiro, é uma ótima ferramenta que vai te ajudar nessa trajetória.

Com uma interface intuitiva e muito prática, você será capaz de conquistar o controle do seu dinheiro de forma rápida e sem dor de cabeça.

Cuidado com “compras emocionais”

Quem é que nunca se deixou levar pela emoção na hora de comprar algo? 

Mesmo que seja um objeto mínimo, algo de valor quase que imperceptível para o bolso, é muito difícil passar pela vida 100% isento de praticar essa ação.

Isso acontece porque somos seres humanos inseridos em um sistema capitalista. Dessa forma, é normal fazer uma compra ou outra sem pensar demais. E, caso isso seja feito uma vez ou outra, tudo bem!

O problema é quando o “de vez em quando” vira “sempre” e você não consegue sair do emaranhado de dívidas que acabam chegando como consequência.

Sempre que possível, então, não se deixe levar pelo consumismo.

Identifique aquelas compras emocionais que você faz com mais frequência, ou seja, uma espécie de gatilho para o seu dinheiro.

Dessa forma, sempre que você estiver prestes a repetir a ação, sua própria consciência será capaz de emitir uma espécie de “alerta” para que você pense duas vezes antes de comprar.

O simples ato de parar, respirar fundo e se questionar sobre a verdadeira necessidade daquele produto ou serviço pode te poupar muitas frustrações no futuro.

Uma outra forma de evitar os gastos emocionais é fazendo listas de compras. Sempre que você perceber que precisa comprar algo — seja algo do supermercado ou eletrodomésticos — faça o registro.

Assim, quando tiver condições de comprar, ao invés de ficar “procurando na memória” tudo aquilo o que você acha que precisa, terá acesso a uma lista racional e baseada em suas verdadeiras necessidades.

Compare os preços

Um mesmo produto pode ter vários preços diferentes.

Sabendo disso, pense em quantas vezes você poderia ter economizado uma quantidade considerável de dinheiro caso tivesse tido paciência o suficiente para fazer as comparações?

Entendemos que o processo pode ser longo, mas acredite: vale a pena! É possível seguir alguns passos bem simples na hora de comparar, e vamos te ajudar nisso agora mesmo.

Primeiramente, pense no produto que você quer comprar. Pode ser uma televisão, um computador, celular ou qualquer outra coisa que precise no momento.

Depois de saber qual será o produto comprado, comece a procurar nas principais lojas. Faça isso em dias e horários diferentes, já que o preço pode mudar — e muito — de acordo com a hora pesquisada.

Dessa forma, você terá feito comparações de duas maneiras. A primeira é entre lojas diferentes, que podem contar com várias condições diferentes.

Já a segunda é em relação à variação de preço que um produto pode sofrer na mesma loja. Isso acontece por causa de vários fatores como oferta e demanda, calendário de datas comemorativas, entre outros.

Uma outra forma de trabalhar com a comparação de preços é ao fazer compras cotidianas.

No supermercado, sabemos que existem várias marcas diferentes de um mesmo alimento, por exemplo.

Ao invés de buscar por aquela opção que você sempre compra, avalie novas marcas que tenham um custo-benefício maior.

Mude a forma de lidar com o cartão de crédito

Muitas pessoas acreditam que o cartão de crédito é o vilão do brasileiro, mas isso só acontece quando os hábitos de cuidar finanças estão prejudicados.

Em cenários nos quais existe o devido controle e planejamento financeiro, ele pode ser um ótimo aliado! E isso acontece por um motivo simples.

Se você for uma pessoa controlada e que tenha o dinheiro para pagar as futuras prestações do cartão, a ideia é deixar o valor rendendo na conta. 

Assim, a cada mês, você terá um pouquinho a mais na carteira.

Ao mesmo tempo em que existem vantagens no cartão, antes é preciso mudar a mentalidade ao usá-lo, e uma delas está relacionada ao limite.

Muitas pessoas acham que o limite está ali para ser usado integralmente, mas esta é uma grande armadilha. 

Além dele, o cheque especial e outros juros do cartão também podem ser evitados quando existe um bom planejamento e controle dos gastos.

Hoje em dia, com uma série de contas digitais disponíveis, você pode se livrar, inclusive, daquelas taxas de manutenção e anuidades que por muitos anos foram consideradas como algo “obrigatório”.

Busque por descontos sempre que possível

Para cumprir o seu planejamento financeiro de forma ideal, é importante economizar sempre que puder.

E, para isso, as promoções são ótimas aliadas. Mesmo fora daquelas datas promocionais, como a tradicional Black Friday, empresas estão investindo pesado em descontos fora de época para aumentar o consumo.

Sabendo disso, fique sempre de olho em promoções e condições especiais de compra.

Na maioria das vezes, vale a pena esperar um pouco para comprar o mesmo produto com um valor muito mais vantajoso.

Defina metas e objetivos claros

Se você vai trabalhar em um bom planejamento financeiro, precisa ter plena noção de que ele deve contar com metas e objetivos claros e alcançáveis.

Sabendo disso, é importante definir alguns pontos importantes como:

  • Qual é o seu objetivo com o planejamento?
  • Em quanto tempo deverá alcançá-lo?
  • Quais serão os meios para conquistá-lo?
  • Qual será o nível de esforço depositado?
  • De quanto em quanto tempo você vai fazer o acompanhamento?
  • Quanto precisa investir para cumpri-lo no prazo?

Na hora de traçar um objetivo, é muito importante que ele seja mensurável e alcançável. Vamos dar dois exemplos de metas que não cumprem esses requisitos e, por isso, acabam ficando muito difíceis de cumprir.

Sobre as metas mensuráveis, uma pessoa definiu que a sua é “comprar uma casa”. Sem definir qual é o valor da casa e em quanto tempo a meta deverá ser batida, a mensuração não existe.

Ou seja: não é possível calcular a evolução daquele objetivo e muito menos traçar planos de ação quando for necessário.

Agora, sobre as metas alcançáveis. Por mais que você queira muito comprar uma casa em 5 anos, será que realmente é capaz de cumprir com os requisitos necessários?

Quanto mais “absurda” for a sua meta, mais difícil ela será. E isso acontece porque valores altos demais ou inalcançáveis dentro de uma realidade específica geram desânimo em qualquer pessoa.

Por isso, faça uma boa avaliação da sua realidade financeira e trabalhe de forma realista. É claro que se a meta for batida, você poderá ser cada vez mais ambicioso. Mas vá com calma!

Faça uma análise periódica dos avanços ou impedimentos

Qualquer plano na vida pode mudar em um piscar de olhos.

Por mais que você tenha uma noção de alguns pontos de previsibilidade — como o salário pelos próximos meses ou até mesmo anos — as emergências podem surgir sem pedir licença.

Ao mesmo tempo, imprevistos positivos também acontecem. Uma grande entrada de dinheiro de uma vez só pode diminuir muito o tempo para bater a meta, por exemplo.

Dessa forma, você só será capaz de entender esses pontos caso faça acompanhamentos periódicos.

Se você já aplicou o hábito de registrar todas as despesas em um app, por exemplo, será possível fazer o acompanhamento sempre que abri-lo para gerenciar os gastos dia.

Apesar disso, é interessante reservar pelo menos um momento por mês para analisar com calma como anda o seu planejamento e como ele pode ficar ainda melhor. 

Conclusão

Agora que você já entendeu tudo sobre um bom planejamento financeiro pessoal, esperamos que tenha compreendido a importância de colocá-lo em prática da melhor forma possível.

Em um primeiro momento, a enxurrada de informações pode parecer algo complexo e difícil de ser aplicado em sua realidade de maneira prática.

De toda forma, lembre-se que a persistência deve ser sua maior aliada nesse trajeto. Somente com força de vontade e comprometimento com o planejamento você será capaz de cumpri-lo.

A partir daí, a ideia é aguardar para colher os frutos.

Tenha certeza que com organização e controle das finanças, você terá uma vida mais leve, saudável e com a possibilidade de realizar todos aqueles sonhos que você tanto trabalhou para conquistar.

Agora, é só começar! Vamos lá?

Comente, nos siga nas redes sociais e compartilhe este conteúdo!

O que achou do conteúdo sobre planejamento financeiro pessoal?

Se gostou, então, cadastre-se na nossa Lista Vip para receber as novidades em primeira mão e compartilhe esse post com seus amigos e familiares que possam se interessar.

A sua opinião é muito importante para nós! Sendo assim, sugira novos temas e deixe seu comentário!

Quer acompanhar nosso conteúdo no Instagram? Clique aqui e siga o @mobillsedu!

Não deixe, também, de acessar o canal do Mobills no Youtube.


VEJA TAMBÉM:

Postado em: Planejamento Financeiro


Escrito por Carlos Terceiro

Carlos Terceiro, Fundador e CEO do Mobills, o aplicativo de finanças pessoais com o maior número de clientes no Brasil. Empreendedor movido pelo propósito de transformar a vida financeira dos brasileiros para melhor. Formado em análise de sistemas e Pós-graduando em Finanças e Investimentos pela PUCRS.

Junte-se a mais de 239.950 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Logo Mobills
Mobills Google Play
Mobills Apple Store
Mobills Web