Pesquisar Fechar Menu
Melhores Melhores Guias Guias Ferramentas Ferramentas Mobills Mobills

Como construir uma carteira de investimentos ideal

Uma carteira de investimentos construída de modo inteligente é essencial para o sucesso financeiro. Leia o artigo e aprenda como construir a sua!

Artigo escrito por Marcos Vitor em 05 de Fevereiro de 2021

Imagem que representa o tema carteira de investimentos

Um passo fundamental para alcançar seus objetivos financeiros é construir uma carteira de investimentos que esteja de acordo com suas metas e com o seu perfil de investidor. Portanto, nós vamos te ajudar nessa tarefa.

Comece a investir

A decisão de investir é impulsionada pelo objetivo de rentabilizar o dinheiro poupado, construir patrimônio no longo prazo ou atingir metas de curto e médio prazo.

Contudo, não basta saber disso, é necessário saber também como alocar os ativos numa carteira de investimento e quais ativos escolher.

Mas, primeiro, vamos à definição:

O que é uma carteira de investimentos

Essencialmente, é o seu portfólio. É a seleção das classes de ativos e dos ativos específicos, de tal modo que certo objetivo financeiro seja alcançado.

Nesse sentido, é importante definir qual será a proporção que cada classe e que cada ativo terá no portfólio.

Para isso, é necessário que tenhamos consciência da nossa situação financeira, tracemos nossas metas e conheçamos o nosso perfil de investidor.

Caso prefira, você pode assistir o vídeo acima sobre como montar uma carteira de investimentos!

Importância da construção de uma carteira de investimentos

Como foi dito, o propósito de construir uma carteira de investimentos é alcançar objetivos financeiros.

É por isso que entender quais são suas metas é fundamental nesse processo, pois evitará que você escolha aplicações inadequadas.

Por exemplo, se você pretende trocar de carro em um ano, o investimento em ações não é uma boa opção, porque as oscilações do mercado podem fazer com que, no momento que você precisar dos recursos, tenha menos dinheiro do que você aplicou.

Portanto, uma distribuição dos recursos feita de modo inteligente fará com que você alcance suas metas com mais segurança e eficiência.

Além disso, para que você não passe qualquer tipo de angústia nesse processo, é importante que essa distribuição leve em conta o seu perfil de risco.

Por fim, a sua situação financeira não pode ser negligenciada.

Se você não levar em conta quanto você ganha, quanto e como você gasta, suas responsabilidades etc., é provável que você passe apertos financeiros.

Assim, é possível que você aplique seu dinheiro em ativos de longo prazo, quando sua necessidade é de curto prazo.

Se você ainda não tem essa organização das suas finanças, recomendamos que leia o artigo sobre como fazer um planejamento financeiro pessoal.

Diante do que foi dito, é possível perceber que não existe uma carteira de investimentos ideal que se aplique a todos os investidores, mas existe uma carteira ideal para cada um deles.

Por isso, não adianta copiar a carteira de A ou B, pois você precisa construir uma própria que leve em consideração as características que já tratamos.

Agora que temos nosso orçamento feito e já sabemos o conceito e a importância da alocação eficiente dos ativos, podemos passar para os próximos passos: conhecer nosso perfil e traçar nossos objetivos.

Perfil do investidor

O perfil do investidor leva em consideração nosso nível de aceitação ao risco, nossa capacidade de suportar oscilações na nossa carteira de investimentos.

Basicamente, existem cinco tipos de perfis:

Perfis de investidor

                               Características% em ativos de risco% em ativos seguros
UltraconservadorTotalmente avesso ao risco e não suporta ver oscilações no preço dos ativos da sua carteira.Máximo 10%Mínimo 90%
ConservadorSão avessos ao risco, mas aceitam ter uma pequena parcela do seu portfólio em ativos com maior oscilação.Máximo 40%Mínimo 60%
ModeradoAceitam um pouco mais o risco, mas não deixam de ter uma boa parcela do portfólio em ativos com baixa oscilação.Máximo 60% ou mínimo de 40%Mínimo 40% ou máximo de 60%
ArrojadoSão investidores que buscam rentabilidades maiores e estão dispostos a aceitar oscilações no preço das suas aplicações.Mínimo 60%Máximo 40%
AgressivoSão totalmente propensos ao risco e, se investirem, colocaram muito pouco dos seus recursos em aplicações com baixa oscilação.Mínimo 90%Máximo 10%

Como descobrir o seu perfil

Para que você possa se identificar com alguns desses perfis, você precisa responder algumas perguntas:

  • Você necessita dos recursos investidos dentro de pouco tempo ou você pretende deixar durante anos?
  • Como você se sentiria caso o preço das suas aplicações caísse 20%, venderia tudo ou sabe que faz parte do jogo?
  • Quais são os seus objetivos com esse investimento, construir uma renda para a aposentadoria ou trocar de carro daqui a um ano?
  • Você já tem conhecimento ou experiência com aplicações financeiras?
  • Em que etapa da vida você está?

Essas respostas vão te auxiliar na identificação da sua capacidade de tomar riscos.

Por exemplo, quanto mais novo você for, mais risco você pode correr, pois tem tempo e energia suficiente para recomeçar novamente caso haja uma perda financeira.

Por outro lado, se seus objetivos são de curto prazo, deveria aplicar em algo que oscile menos, com um risco menor.

Escolher ativos mais arriscados do que deveria, pode tirar o nosso sono. No entanto, quando escolhemos aplicações com baixo risco mesmo suportando alto risco, perderemos grandes oportunidades.

Então, o próximo passo é traçar quais são as nossas metas para entendermos quais ativos escolher.

Ativo para cada objetivo financeiro

Graças ao desenvolvimento do mercado financeiro, hoje, temos uma diversidade enorme de aplicações financeiras que se adequam aos mais diferentes objetivos.

Nessa etapa, você pode separar suas metas de acordo com os prazos: curto prazo (até 1 ano), médio prazo (de 1 a 5 anos) e de longo prazo (5 anos em diante).

Dessa forma, ficará mais claro para você na hora de escolher os ativos para cada um desses prazos.

Por exemplo, se seu objetivo é de:

  • Curto prazo: escolha ativos de baixo risco, com pouca oscilação e que tenha uma alta liquidez;
  • Médio prazo: pode escolher investimentos com uma liquidez menor e uma rentabilidade esperada maior, mas sem correr grandes riscos;
  • Longo prazo: aqui, aplicações de risco maior, rentabilidade esperada maior e liquidez menor podem ser escolhidos.

Aliás, não posso deixar de dizer que as decisões de investimento nem sempre são tão simples, pois mesmo que uma pessoa tenha um objetivo de longo prazo, seu nível de aceitação de risco vai ser primordial na escolha dos ativos.

Por isso, é importante que você leve em consideração o seu perfil e os seus objetivos, não um ou outro.

Por fim, não esqueça de definir metas que sejam realmente importantes para você, pois a relevância delas é que vai garantir a motivação que implicará na disciplina, que será fundamental para que o planejamento seja seguido e não haja desvios.

Dito isso, agora nós vamos te mostrar as principais classes e subclasses de ativos que você pode ter em sua carteira e o risco relativo de cada uma delas.

Classificação dos ativos

As aplicações são divididas em duas grandes classes: as de renda variável e as de renda fixa.

  • Renda Fixa: são aqueles investimentos onde você já sabe qual será o fator de rentabilidade e o prazo do título de antemão;
  • Renda Variável: são aqueles investimentos onde o retorno não pode ser mensurado de antemão, ou seja, pode haver uma variação positiva ou negativa a depender das expectativas do mercado.

Afora essa classificação, vou apresentar a divisão em subclasses das aplicações financeiras em ordem crescente de risco:

Títulos Públicos

CDBs (Certificados de Depósito Bancário)

LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito do Agronegócio)

Debêntures

Fundos Imobiliários

Ações

Derivativos

Criptomoedas

Além desses, existem os Fundos de Investimento, que não foram citados pelo fato de terem diversas classificações com um nível de risco diferente para cada uma delas.

Você pode ter acesso a esses e outros produtos financeiros através da corretora Toro.

Nela, você vai poder fazer um questionário para descobrir qual é o seu perfil de investidor. Assim, eles podem te indicar investimentos adequados a você.

Pronto, agora podemos passar para a alocação de cada um desses ativos na sua carteira de investimentos.

Construção da carteira de investimentos

Nesse momento, já sabemos a importância de uma alocação dos recursos de acordo com o nosso perfil e com os nossos objetivos e já reunimos o conhecimento necessário para podermos fazer a nossa própria alocação.

Portanto, para esse fim, precisamos seguir alguns passos.

Analise o seu perfil:

Esse é o ponto de partida; se você não tomar decisões de investimento baseadas no seu perfil, você não terá tranquilidade ou perderá ótimas oportunidades;

Considere os seus objetivos

Esse é o ponto de chegada; saber para onde se está indo, é primordial para que você possa traçar o plano;

Trace uma estratégia de investimentos

Esse é o caminho entre seu momento atual e suas metas; sem um planejamento, você não vai alcançar seus objetivos ou vai demorar muito mais;

Escolha uma alocação de acordo com o seu perfil e com o seu objetivo

Esse passo diz respeito à escolha da proporção que cada classe e que cada subclasse de ativo terá na sua carteira;

Estude os ativos que comporão cada uma das classes

Esse é a garantia de que você fará os melhores investimentos, é a certeza de que você executará o passo anterior com eficiência.

Se a escolha dos ativos for feita com assertividade, seus objetivos poderão ser atingidos antes do esperado e com muito mais segurança;

Diversifique

Esse ponto é muito importante por dois motivos:

Você não precisa ter apenas um objetivo financeiro

Isso significa que a sua carteira não precisa estar alocada para a conquista de uma só meta.

O ideal é que você tenha vários ativos, sendo que cada um deles cumpre um propósito.

Diminuição do risco

Se você aumentar o número de aplicações na sua carteira, minimizará a possibilidade de perdas financeiras significativas, pois a desvalorização de um ativo pode ser compensada pela valorização de outro.

Mas, cuidado! A adição de um número excessivo de ativos afetará negativamente a rentabilidade do seu portfólio.

Rebalanceie

De tempos em tempos, faça o rebalanceamento da sua carteira.

É normal que uma classe valorize mais que outra, então o ideal é que você invista naquela que menos valorizou (ou até mesmo desvalorizou) para que a alocação inicial definida por você seja sempre mantida.

Por fim, quero dar alguns exemplos de alocações sugeridas por grandes investidores.

Exemplos de carteiras de investimentos

Benjamin Graham

Foi o mentor de Warren Buffett, o maior investidor de todos os tempos.

Segundo ele, podemos seguir uma regra orientadora que diz que o investidor nunca deveria ter menos que 25% ou mais que 75% de seus fundos em ações, com uma faixa inversa consequente de entre 75% e 25% em títulos públicos.

Ele continua dizendo que a divisão-padrão deveria ser igual, ou 50/50, entre os dois meios de investimento principais.

John Bogle

Autor do livro O Investidor de Bom Senso.

Ele recomenda que os investidores que estão na fase de construção de patrimônio devem se concentrar em um mix de ações/títulos de 80/20 para os mais jovens e 70/30 para os mais velhos. Por outro lado, se você está na fase da aposentadoria, ele sugere 60/40 para os mais jovens e 50/50 para os mais velhos.

Regra dos 80

Em seu livro Como Organizar sua Vida Financeira, Gustavo Cerbasi fala sobre a regra dos 80, que diz que você deve subtrair de 80 a sua idade e, assim, achar o valor do percentual que você deveria ter em renda variável.

Por exemplo, se você tem 30 anos, deveria ter 50% da sua alocação em ativos de renda variável.

A lógica por trás dessa regra é que à medida que vamos envelhecendo nossa capacidade de investimento aumenta e a de tomar risco cai.

Alguns investidores mais agressivos usam a regra dos 90 ou dos 100.

Conclusão

Investir é arriscado, mas não investir é mais arriscado ainda.

John Bogle

Como disse John Bogle, mesmo com todos os riscos inerentes aos investimentos, não é investir é muito mais perigoso para o nosso futuro financeiro.

Contudo, se tomarmos a decisão de rentabilizar nosso dinheiro, devemos buscar fazer isso da melhor maneira possível: com segurança e consistência.

Nesse sentido, há a necessidade de conhecer seu perfil e seus objetivos para que seja possível traçar uma estratégia de investimento adequada a você.

Além disso, o estudo constante não pode ser negligenciado, pois você precisa garantir que sua estratégia será vencedora.

Se você seguir todas essas dicas e orientações, temos certeza de que seus objetivos serão alcançados e seu futuro será muito mais próspero.

Aproveite a oportunidade e assuma o controle de suas finanças de forma definitiva com o Mobills, o aplicativo de controle financeiro mais bem avaliado do Brasil!



Escrito por Marcos Vitor Especialista em investimentos

Especialista em investimentos do Mobills, Marcos é formado em Economia pela UFC. Tem como hobby aconselhar amigos sobre investimentos.

  • Certificado de Especialista Anbima (CEA);
  • Economista;
  • ETF no Mercado Brasileiro - ANBIMA;
  • Gestão de Riscos - ANBIMA.

Assine a Newsletter Mobills
Junte-se a mais de 239.950 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.


Você também vai gostar...


🤔 Tem dúvidas ou dicas? Comenta aqui, que nossos especialistas respondem!

Notifique-me de novos comentários via e-mail.


.