Como funciona o cheque especial? Veja as melhores dicas para utilizar essa modalidade de crédito!

O cheque especial é uma das principais modalidades de crédito disponível para os consumidores. Entenda como funciona!

Artigo escrito por Claudia Borges em 14 de Maio de 2021

Pessoa descobrindo como funciona o cheque especial

O cheque especial é uma das modalidades de crédito mais procuradas pelos brasileiros. Contudo, também é uma das principais causas do endividamento. Por isso, é importante entender como funciona!

Todos nós já passamos por algum tipo de aperto financeiro, certo? Afinal, imprevistos podem acontecer a qualquer momento.

Sendo assim, conhecer as características e taxas das principais modalidades de crédito disponível, como o cheque especial, é fundamental para sair das dívidas e conquistar uma boa saúde financeira.

A facilidade de uso do crédito pré-aprovado, por exemplo, faz com que algumas pessoas ignorem as altas taxas de juros atrelados a ele.

O ano de 2020 fechou com 66,5% das famílias brasileiras endividadas, segundo estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Para não fazer parte dessa estatística, conheça como funciona o cheque especial, e todos os detalhes sobre ele!

O que é cheque especial?

O cheque especial é uma espécie de empréstimo cedido ao cliente sem a necessidade de comprovação de renda, conhecida por ser bem mais prático que os outros.

Em resumo, trata-se de um empréstimo pré-aprovado que o banco deixa disponível para uso desde a abertura da conta.

Por essa facilidade, essa modalidade deve ser tratada com muita cautela para que você não se afunde em dívidas depois de utilizá-la.

Pois, a taxa de juros do cheque especial, assim como a do cartão de crédito, é uma das mais altas do mercado. Então, todo cuidado é pouco!

Entendendo como funciona o cheque especial

Imagem representando o tema como funciona o cheque especial
Pessoa querendo dinheiro para pagar o cheque especial

Como falamos anteriormente, o cheque especial é um crédito pré-aprovado que funciona como um empréstimo, mas de forma muito mais prática – quase automática, na verdade.

Ele pode ter outros nomes, como Liz ou Limite pré-aprovado, dependendo do banco.

O valor aparece em seu extrato bancário, como se fizesse parte do saldo que você tem em conta corrente, e pode ser usado da mesma forma.

Vamos supor que você tenha um saldo de R$200,00 na sua conta, mas no seu extrato aparece, ainda, R$500,00 disponível como limite de crédito.

Você pode utilizar a totalidade desses R$500,00 ou fazer uso parcial. No entanto, para utilizá-lo basta fazer qualquer transação acima do seu saldo, de R$200,00.

Se você fizer uma compra no valor de R$300,00 estará utilizando apenas R$100,00 do valor do cheque especial. O restante continua disponível para você.

O grande perigo desse tipo de transação é que, normalmente, ele não é parcelado, nem negociado. Então o pagamento desse crédito será quitado com valores que entrarem na sua conta.

Usando o exemplo acima, se utilizar R$100,00 do limite do cheque especial, e receber um valor de R$300,00 em conta, a dívida será automaticamente paga.

Quando usar o cheque especial?

Em casos de emergência, o valor disponível em conta pode parecer tentador. Mas calma, vamos analisar bem antes!

A maioria dos brasileiros já utilizou o cheque especial pelo menos uma vez na vida e ele é na verdade a razão da inadimplência de grande parte da população.

Segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o cheque especial é responsável por 52% dos mais de 52 milhões de brasileiros na lista de inadimplência.

O recomendado é não utilizar esse empréstimo, devido ao valor alto dos juros que o acompanham. Contudo, nem sempre é possível fugir dessa situação.

Sendo assim, o cheque especial pode ser uma solução de emergência financeira, onde é necessário ter um valor em mãos de forma rápida.

Juros do cheque especial: Como calcular?

Como já falamos, junto de toda a praticidade do cheque especial, vem o valor alto dos juros que pode acabar comprometendo seu orçamento pessoal.

Por isso, saber exatamente quanto vai pagar pelo crédito é essencial para sua saúde financeira.

Os juros do cheque especial podem chegar a 300% ao ano. Diferente de outras modalidades de empréstimo, esse valor é somado diariamente ao seu débito.

Alguns bancos até oferecem alguns dias para pagamento do valor devido, sem a cobrança dos juros. Mas, a partir desse período, os juros acumulados são cobrados.

Isso significa que no primeiro dia de empréstimo, a taxa é calculada em cima do valor devido inicialmente. No dia seguinte, recai sobre o valor inicial mais os juros do dia anterior.

Saiba mais: Juros Simples: Conceito, fórmula, ferramentas e como calcular // Juros Compostos: Entenda o que é, principais ferramentas, como calcular e investir nessa taxa

3 Dicas para sair do cheque especial

Já percebeu que não é uma boa ideia tomar a decisão de utilizar o cheque especial no calor do momento, não é? Mas se você cair nessa, temos algumas dicas que vão te ajudar a sair da situação.

1. Tente negociar

É a primeira opção e as instituições são as primeiras a querer fazer esse acordo, já que são as principais interessadas no abatimento da dívida.

Ao negociar a dívida você consegue congelar o valor dos juros, e parcelar o saldo da dívida, com parcelas que você consegue pagar sem se apertar ainda mais.

2. Reduza seu limite

Um valor alto de cheque especial pode te levar a tomar decisões erradas e acabar se endividando.

Quando você reduz o valor, garante que terá uma quantia de emergência disponível quando precisar, mas ainda assim será algo com que você conseguirá arcar depois.

Em síntese, de nada adianta ter R$ 10 mil de crédito aprovado e depois não conseguir quitar essa dívida.

3. Controle sua vida financeira

Com um bom controle financeiro você consegue evitar surpresas nas suas faturas e ainda economizar uma grana para emergências.

O aplicativo Mobills vai te ajudar nessa missão! Com uma interface bonita e intuitiva, você conseguirá manter a organização financeira no app.

Dúvidas frequentes sobre o assunto

Por mais que metade dos brasileiros já tenham recorrido ao cheque especial, existem algumas dúvidas recorrentes. Confira, a seguir, as principais delas.

Qual o prazo para pagar o cheque especial?

Isso geralmente muda de banco para banco, e pode variar de acordo com o correntista. No entanto, a base é de 180 dias. Ou seja, seis meses.

Após esse período, o contrato pode ou não ser renovado. Tudo vai depender de como foi o uso do valor e a situação de inadimplência do usuário.

Como saber o limite do cheque especial?

Esse é outro fator que vai mudar bastante de acordo com a instituição em que você tem conta, e vai depender também da sua renda e movimentação.

De modo geral, você pode consultar esse limite pelo internet banking ou indo até a agência mais próxima e conversando com o seu gerente.

O que acontece se estourar o limite do cheque especial?

Se você tem um limite pré-aprovado de R$500,00 no cheque especial e ultrapassa esse valor, o banco poderá cobrar taxas maiores na hora de devolver esse dinheiro.

Isso acontece porque a instituição entende que você não tem controle sobre sua vida financeira, o que não é favorável para ela.

Qual a taxa de juros do cheque especial?

A facilidade em conseguir utilizar o cheque especial esconde, de certa forma, altas taxas de juros que objetivam amenizar o risco de crédito da instituição credora.

Em janeiro de 2020, o Banco Central (Bacen) definiu uma taxa de juros máxima para o cheque especial de 8% ao mês e 150% ao ano.

É aquele velho ditado, quanto menor a confiança, maior será a cobrança.

Como funciona a taxa de juros do cheque especial?

O alto valor dos juros se dá ao fato de o banco precisar de uma garantia de que o dinheiro será pago de volta.

Para garantir isso, as taxas acontecem de maneira composta, ou seja são calculadas em cima do valor inicial, mais os juros dos dias de atraso.

Se você utilizou o cheque especial e demorou dias para pagar, o cálculo será a soma da quantia emprestada e também do tempo em que o banco ficou sem receber.

Se eu não pagar o cheque especial, o que acontece?

Assim como qualquer empréstimo ou financiamento, o não pagamento desse crédito resulta em algumas consequências como negativação do nome e inscrição no SPC/ Serasa.

Ou seja, você fica impossibilitado de conseguir novas linhas de crédito, sejam elas quais forem, até a regularização da dívida.

Vale a pena usar o cheque especial?

A recomendação da maioria dos especialistas se resume em utilizar essa linha de crédito com bastante cautela e apenas quando for necessário.

Afinal, as taxas exorbitantes não compensam. Por isso, agora que já sabe como funciona o cheque especial, deve evitá-lo ao máximo!

Veja nossos outros conteúdos sobre educação financeira e sair das dívidas, seja no BlogInstagram ou no YouTube.

A sua opinião é muito importante para nós! Sendo assim, sugira novos temas e deixe seu comentário!

Não esqueça de compartilhar este artigo com amigos e familiares.


Junte-se a mais de 239.950 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.


    🤔 Tem dúvidas ou dicas? Comenta aqui, que nossos especialistas respondem!

    Notifique-me de novos comentários via e-mail.

    Junte-se a mais de 239.950 pessoas

    Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.


      Você também vai gostar...


      Escrito por Claudia Borges Jornalista

      Jornalista em formação, apaixonada por boas histórias e por transformar a vida das pessoas através da educação financeira.

      • Jornalista;
      • Redatora Mobills.
      .